Priscila Moreira

Distancia

 Sentir a distância como se fosse tortura no corpo

Sentir a falta de algo que ainda não temos

É deixar a desejar para algo que não existe.

 

É querer governar o mundo.

É não querer nada senão silêncio no primeiro minuto

E absoluta confusão no segundo.

E pensar que é normal.

Amar e não puder

É ser triste sem razão,

E querer fugir nas asas da borboleta que se torna o pincel

Nas nossas costas.

Azul e roxo do mar em liberdade em contacto com o horizonte

E ser cego.

 

Amar e não ouvir e não conversar,

Cansar e perder e gritar,

Com o mundo, com o ar,

Que poluí o que não interessa.

É deixar de tentar.

 

Morre-se.

No extremo de um penhasco sem uma corda que agarre,

Á espera de um milagre que amarre,

Á espera que cresçam as asas,

Sem mérito,

Sem magia ,

Sem esperança.

 

Chinês.

Imaginação.

Porquês

Sem razão.

 

Recordação de um livro

Prestes a abrir.

Dejá-vu. Dormência.

Algo a cair.

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Priscila Moreira.
Published on e-Stories.org on 14.05.2006.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Previous title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Lamento" (Poems)

Other works from Priscila Moreira

Did you like it?
Please have a look at:

Olhares - Priscila Moreira (Geral)
Apocalypse now - Heino Suess (Lamento)
Darkness of a way - Helga Edelsfeld (Pensamentos)