Flavio Cruz

A conchinha e o barulho do oceano

Eu me lembro, nas raras ocasiões em que ia à praia na minha meninice, de colocar uma concha junto ao ouvido e ficar escutando as ondas do mar. Era o que diziam, as ondas do mar. E parecia verdade. Nunca mais pensei naquilo. Noutro dia recebo um e-mail, daqueles com um monte e curiosidades. Que o vidro demora um milhão de anos para se decompor... Que o ouro é o único metal que não enferruja, mesmo estando enterrado no solo por milhares de anos... Que a língua é o único músculo do corpo que está ligado apenas a uma extremidade... E a lista vai. Algumas coisas eram até interessantes.
Bem lá no meio, veio uma que me chamou a atenção: o barulho que ouvimos quando colocamos uma concha junto ao nosso ouvido não é o oceano, mas sim o som do sangue correndo nas veias da orelha. Certo, lógico, faz sentido. Podia ter pensado nisso, talvez tivesse chegado à mesma conclusão.
Depois, senti um certo desapontamento. Bem que podiam ser as ondas do mar, seria muito mais bonito, mais interessante e mais romântico. Além disso que diferença faz se a gente achar que são as ondas do mar? Não vai prejudicar ninguém, não vai alterar a rotina do mundo. Por que tirar assim de minha cabeça uma imagem tão bonita, perdida lá na infância?
Tem gente que só estraga prazeres mesmo...

 

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 25.05.2016.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Previous title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Vida" (Short Stories)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Estação das almas - Flavio Cruz (Vida)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Vida)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Vida)