Flavio Cruz

Estação das almas

Começou a estação do ano em que as folhas das árvores começam a cair. Os galhos vão ficando nus e lisos. O céu frio e azul pode ser visto por entre o esqueleto formado pelo que antes era a copa frondosa.  Parece que elas vão morrer para sempre, mas sabemos que vão voltar.
A alma se prepara também. Ao contrário das plantas, os corpos se revestem mais ainda contra a hostilidade do tempo. O conforto, ou talvez consolo, do que é civilizado, torna-se a resposta contra a natureza cruel. Ela pode contra as árvores, mas não contra nós. Somos poderosos com nossas máquinas de aquecer, com o conforto de nossas casas.
Há porém, aqueles que não tem esses recursos e padecem no frio. Há, também, aqueles que tem o frio interior. Esses não têm proteção nenhuma. Não há vestes ou cobertores para isso. Seus espíritos são como as árvores, ficam nus e gelados, castigados pela intempérie.
As árvores, quando a estação terminar, vão se encher novamente de folhas, do verde e da vida. As pessoas que têm almas frias, entretanto, não vão se recuperar. O inverno delas é permanente, nunca vai ter fim.
 
 

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 07.10.2015.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Previous title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Vida" (Short Stories)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Eu, um estranho passageiro - Flavio Cruz (Mistério)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Vida)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Vida)